Aulas de Dança do Ventre

“A dança do ventre é uma expressão poética do corpo cheia de gestos e significados. É uma celebração a feminilidade, desenvolvida por mulheres e para mulheres.”
Rhamza Alli
Formato

Aulas em Turma

As aulas em turma tem um conteúdo programado pra turma, sem foco individual, onde os movimentos ensinados são corrigidos em coletivo e a dança tem uma característica mais padronizada, ou seja, todas  receberão o mesmo conteúdo dentro do cronograma mensal, porém adequados aos níveis de cada turma.

Formato

Aulas Particulares

As aulas particulares trabalham o conteúdo de forma mais abrangente, exclusiva direcional ao que a cliente deseja, como por exemplo:
A dança do ventre e seus...

Benefícios

FÍSICOS
EMOCIONAIS
O que é

A dança do ventre?

A dança do ventre é uma arte milenar, vinda do Oriente Médio e Norte da África, miscigenada e influenciada por várias outras culturas, misturando elementos ocidentais como véus, dança com espada, pitadas de ballet e por aí vai…

É uma dança tão antiga quanto a história da humanidade. É a primeira dança feminina de que se tem registro. Enquanto as outras danças eram executadas pelos homens e claramente ligadas à sobrevivência (chuva, caça, etc.), desenhos em cavernas de mulheres dançando, evidenciam sempre o ventre.

A dança do ventre...

Como é?

A Dança do Ventre consiste em alguns movimentos de vibrações, impacto, ondulações e rotações que envolvem todo o corpo, trabalhando todas as articulações e circulação dos vasos sanguíneos e fortalecendo a musculatura das pernas, dos braços e abdômen.

Os movimentos de contração, ondulação e vibração foram desenvolvidos pelas mulheres e para as mulheres em função de aliviar dores menstruais e preparar os músculos para a sustentação da gestação e o trabalho de parto, também como um culto à Grande Deusa (natureza) em prol da fertilidade – do ventre e da terra.

Movimentos da Dança do Ventre:

Os movimentos consistem em trabalhar formas geométricas com o corpo, desenhar linhas no espaço com o quadril, tronco, braços e mãos.
Redondos e oitos são os movimentos mais comuns que caracterizam essa dança.

Há também os movimentos de “impacto” que consistem em fazer linhas retas, com ênfase em um dos pontos de direcionamento do corpo.
Movimentos que trazem beleza, suavidade e sensualidade ao corpo feminino, trazendo pra este uma forma “desenhada”, “esculpida” para o corpo que o pratica.

A dança do ventre...

E sua história

A dança do ventre, está fortemente ligada ao povo cigano.

Estes, usavam seus dotes artísticos como forma de sobrevivência, cantando e dançando em feiras; sua cultura e estilo iam se misturando aos costumes locais e novas manifestações, e resultado dessas miscigenações foram surgindo.

A dança que chegou ao conhecimento ocidental foi através do contato com povos como os Gawazee – ciganos provenientes do norte da Índia – que se instalaram no Cairo e os Ouled Nail que habitam a Argélia.

Quando os ocidentais chegaram ao Cairo (final do séc. 19) em busca de safáris e tesouros ficaram extasiados com o exotismo da dança e suas dançarinas. Elas, por sua vez, trataram de adaptar a dança e as vestimentas ao gosto ocidental e trocaram a rua pelos clubes noturnos e cassinos. Algumas dançarinas foram levadas à Europa e Estados Unidos aonde puderam refinar sua dança e sua vestimenta.

Em contato com o balé clássico e contemporâneo, incorporaram braços delicados, pés na meia-ponta ou em saltos, véus esvoaçantes e roupas de duas peças cheia de brilhos e franjas. Transformada assim em espetáculo, a dança do ventre pode ganhar os grandes teatros, casas de show e telas do cinema.

Existe muito preconceito com o termo “dança do ventre”, considerando-o impróprio, porém, a dança é sim do ventre em todos os sentidos: fisicamente, já que se baseia na movimentação rotatória, ondulatória, vibratória e de impacto do tronco e dos quadris o que movimenta intensamente todo o abdômen, além dos próprios movimentos de abdômen; e histórica e simbolicamente já que a dança é a representação da fertilidade e do nascimento.

Mas apesar do nome dança do ventre, podemos chamá-la de Dança do Corpo, pois movimenta todo o corpo por dentro e por fora. As pernas e pés, são usados, entretanto apenas para a sustentação e o deslocamento da bailarina, sem ênfase em seus movimentos como se a bailarina fosse uma serpente.

É uma dança bem festiva, ocasiões como casamentos, colheitas, aniversários, festas religiosas, bênçãos, curas, afazeres do dia-a-dia, enfim, tudo que faz parte da vida é comemorado com música e dança por esse povo, cada região, cada tribo, com suas tradições e particularidades, mas sempre honrando e agradecendo à vida.

Confira nossa agenda e valores de nossos planos!